São Paulo, 12 de junho de 2018.

À

Comissão de Valores Mobiliários – CVM

Superintendência de Relações com Empresas – SEP

Rua Sete de Setembro nº 111, Centro, Rio de Janeiro – RJ

 

At.

Superintendência de Acompanhamento de Empresas e Ofertas de Valores Mobiliários de Renda Variável

 (“SAE/CVM”)

 

Ref.     Resposta ao Ofício nº 1327/2018-SAE

 

Prezados Senhores,

A CCR S.A. (“CCR” ou “Companhia”) (B3: CCRO3; Bloomberg: CCRO3BZ; Reuters: CCRO3.SA) vem, tempestivamente, em atenção ao pedido de esclarecimentos feito no Ofício nº 1327/2018/SAE, expedido pela Comissão de Valores Mobiliários, cujo trecho é abaixo transcrito, informar o que segue:

O Ofício faz referência à notícia divulgada no “Jornal O Estado de São Paulo”, em edição do dia 11/06/2018, sob o título “Sócios da CCR vão rever acordo de acionistas” e assim dispõe:

“11 de junho de 2018

1.327/2018-SAE

 

CCR S.A.

At. Arthur Piotto Filho

Diretor de Relações com Investidores

Ref.: Solicitação de esclarecimentos sobre notícia veiculada na imprensa

Prezados Senhores,

Em notícia veiculada pelo jornal O Estado de São Paulo, em 11/06/2018, sob o título “Sócios da CCR vão rever acordo de acionistas”, consta, entre outras informações, que:

1.Os sócios da CCR deram início a conversas para rever o acordo de acionistas da companhia;
2.Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e Soares Penido buscam rever o contrato para que possam vender – total ou parcialmente – suas participações;
3.Outra possibilidade é a entrada de um quarto investidor na companhia. Os fundos GIC e Temasek, ambos de Cingapura, foram apontados como potenciais compradores. Mas, é possível que outros nomes entrem na disputa.

Solicitamos esclarecimentos sobre os itens assinalados, até 12/06/2018, com a sua confirmação ou não, bem como outras informações consideradas importantes.”

Em atenção aos questionamentos do Ofício, a Companhia informa que desconhece fatos ou atos relacionados à matéria em referência, vez que a eventual discussão de acordo de acionistas, se realizada, ocorre entre acionistas signatários do referido instrumento, sem envolvimento da Companhia.

Não obstante, considerando o trecho do Ofício que menciona que “cabe ressaltar a obrigação, disposta no parágrafo único do art. 4º da Instrução CVM nº 358/02, de inquirir os administradores e acionistas controladores da companhia, bem como todas as demais pessoas com acesso a atos ou fatos relevantes, com o objetivo de averiguar se estes teriam conhecimento de informações que deveriam ser divulgadas ao mercado.”, informamos que a presente resposta considera a resposta dos administradores e grupos controladores da Companhia, os quais desconhecem as notícias veiculadas.

Diante do exposto, acreditando ter esclarecido tempestivamente os questionamentos apresentados no Ofício, a Companhia se coloca à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos adicionais que se façam necessários.

Atenciosamente,

CCR S.A.