Para fins do disposto na Instrução CVM nº 358, a CCR S.A. (“CCR”/”Companhia”) (BM&FBovespa:CCRO3; Bloomberg:CCRO3BZ; Reuters:CCRO3.SA) comunica aos seus acionistas e ao mercado em geral que, no dia de hoje, as concessionárias de rodovias a seguir relacionadas, Concessionária do Sistema Anhangüera-Bandeirantes S.A. (“AUTOBAN”), Concessionária de Rodovias do Oeste S.A. – ViaOeste (“VIAOESTE”), Concessionária do RodoAnel Oeste S.A. (“RODOANEL OESTE”), Rodovias Integradas do Oeste S.A. (“SPVIAS”) e Renovias Concessionária S.A. (“RENOVIAS”), controladas pela CCR e a última, controlada em conjunto (denominadas “CONCESSIONÁRIAS”), receberam da ARTESP – Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo (“AGÊNCIA REGULADORA”), correspondências relativas ao reajuste anual das tarifas de pedágio, a vigorar a partir de 1º. de julho de 2014, calculados segundo um índice diverso do previsto nos respectivos Contratos de Concessão.

Considerando:

1. Que as CONCESSIONÁRIAS são administradoras de importantes rodovias do Estado de São Paulo e cumprem estritamente os respectivos Contratos de Concessão, propiciando aos usuários paulistas serviços públicos de excelente qualidade, reconhecidos internacionalmente;

2. As regras claras que regem as concessões rodoviárias, expostas nos respectivos Contratos, que determinam obrigações e direitos de ambas as partes, dentre as quais a obrigação de proceder ao reajuste anual das tarifas mediante a aplicação direta de um índice de preço (IPCA). Além disso, essas regras não se confundem com outras, também previstas, relativas ao reequilíbrio contratual, no caso de eventuais diferenças anteriores;

3. O momento atual porque passa a infraestrutura do País, carente de recursos para melhoria e modernização, em que a participação da iniciativa privada será essencial, como investidores e como financiadores, nacionais e estrangeiros, o que exige a preservação da estabilidade dos contratos firmados, como fator de segurança regulatória; e

4. A parceria de longo prazo que as CONCESSIONÁRIAS detêm com o Governo do Estado de São Paulo, cujo programa de concessões de rodovias, até o momento, tem se pautado pela regularidade e assegurado as melhores condições para o desenvolvimento do Estado e do País;

A Companhia e as CONCESSIONÁRIAS informam que discordam da decisão da AGÊNCIA REGULADORA e que tomarão as medidas necessárias à defesa de seus interesses e direitos contratualmente assegurados.

São Paulo, 27 de junho de 2014.

Arthur Piotto Filho
Diretor de Relações com Investidores