Quase a totalidade de receita da companhia advém da cobrança de pedágios nas rodovias em que opera. Em 2019, 68,5% da receita bruta (excluindo-se a receita de construção) adveio da tarifa de pedágio, 1,2% de receitas acessórias e 30,3% de outras receitas (ViaQuatro, Barcas, STP, Aeroportos, SAMM, Metrô Bahia, TAS e ViaMobilidade).

O Grupo CCR opera o pedágio manualmente e por meio de identificação automática, utilizando sistemas eletrônicos de pagamento implantados nas rodovias administradas pela companhia. Os principais fatores que influenciam a receita operacional bruta são os números de veículos pedagiados que utilizam as rodovias concedidas e as tarifas, que são reajustadas pela inflação de acordo com índices gerais e do setor de construção.

O tráfego nas rodovias em que o Grupo CCR opera foi de 1.034,6 milhões em 2019, comparado a 986,5 milhões de veículos equivalentes em 2018, 1.012,2 milhões de veículos equivalentes em 2017.

A receita operacional bruta foi de R$8.221,3 em 2017, R$8.869,9 em 2018 e R$ 10.290,0 milhões em 2019. O EBITDA foi R$ 5.603,6 milhões em 2017, R$ 4.538,0  milhões em 2018 e em 2019 atingiu R$ 6.206,8 milhões.